domingo, 16 de outubro de 2011

Gourmet? As palavras caras não me enchem o estômago!

O conceito de cozinha está a mudar ao longo dos tempos. Eu ainda me lembro de comer daquelas refeições fantásticas em que tínhamos tanto para comer que nem víamos a borda do prato. Hoje parece que comer assim já é um sonho.

Agora basicamente, o que se quer é o gourmet. Já vi dezenas de chefs a 'definirem' gourmet mas, no meio de tanto palavreado um tanto ao quanto puxado a ferros do dicionário de bolso, eu só tiro uma conclusão: para eles gourmet é a alta cozinha. Sinceramente acho um conceito muito ridículo, pois eu estou-me a borrifar para a 'altura' da cozinha quando estou a comer; por mim até podiam fazer a refeição no chão, desde que aquilo fica-se que nem gingas para mim estava perfeito!
O que na realidade acontece é que o gourmet se baseia em quatro aspectos fundamentais:

1 - Dimensão

Para se perceber melhor isto, apresento-vos a anatomia de um prato gourmet:

No gourmet, eles das duas uma: ou são amantes de miniaturas ou fascinados em microscopia. Digo isto porque na realidade os pratos só trazem umas migalhas lá para o meio. Depois o mais interessante é que eles nem ligam às proporções - quanto mais pequena for a comida, maior é o prato. Depois vê-se o tamanho do espaço vazio et voilá, temos aí quanto vamos pagar. Contudo eles não fazem tudo isto de forma tão grosseira: metem uns molhos lá para o meio como quem pinta um quadro abstracto, assim não fica tão mau ter-se tanto espaço vazio.

2- A forma

Para muitos chefs, a forma é muito importante. Dizem que a cozinha é uma arte e que devemos dar forma ao que comemos. Eu não sei de que doença padecem, mas eu quando tenho fome preocupo-me mais em fazer o raio da sandes do que desenhar a cara do Obama no presunto ou a do Mourinho no chourição. Acho que todos nós estamos mais preocupados em comer do que termos as almôndegas a parecer as pirâmides de Gizé ou o bacalhau a brás a fazer de uma Pseudo Estátua da Liberdade.

3- O nome

Pelo que já conferi, uma coisa é mais gourmet quanto mais estapafúrdio for o seu nome. Por isso é que há orgias de francesadas e italinices nesses nomes do género 'l'hiver crêpe remplissant' ou 'lonza di maiale con verdure morbide' em vez de se dizer, simplesmente, crepe de chocolate e lombo de porco com verduras.  Já vi pessoas com nomes mais banais do que uma posta de pescada ou um bife de perú!

4- Os ingredientes

Outra coisa que, ao que parece, influencia bastante o status de um prato gourmet é o que leva. E depois do que dizerem apenas o que leva, dizem quase a biografia toda do condimento. Do género 'azeite virgem da bretanha' - acham que o meu estomâgo vai fazer uma melhor digestão por saber a actividade sexual e região de origem do azeite? Eu cá acho que não.


Com isto tudo, acho que a cozinha gourmet se adapta perfeitamente à expressão 'de comer e chorar por mais' visto que com a fome que fico tenho que quase implorar para que me dêem uma suculenta e enorme bifana que consiga suprimir a minha fome! E o mais engraçado é que este conceito de 'pedir muito por pouco' está a começar a espalhar-se por outros sectores, eu até já vi papel higiénico gourmet! Será que torna o rabinho mais suave e perfumado? Se alguém tiver experimentado que me dê um feedback, é que eu não vou gastar 5 euros num rolo! Agradecido
     

2 comentários:

  1. Ahahahaha tão tão bom este texto! :)

    ResponderEliminar
  2. Bolachas gourmet? Essas não conheço :p

    ResponderEliminar

Comentar aumenta a esperança média de vida. QUERES MORRER NOVO?